Floresta debaixo do Mar/2015

FDM_eflyer_20.09.15Projeto vencedor do Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2014 – Montagem

www.forestunderthesea.com

Forest under the Sea (A Floresta debaixo do Mar) é um projeto desenvolvido em parceria com Marinaio Teatro (www.marinaioteatro.com) através da atriz grega radicada em Berlim, Christina Kyriazidi.

O projeto consiste na montagem do texto teatral Forest under the Sea, escrito por Christina Kyriazidi, com temporadas no Brasil, na Alemanha e na Grécia. Através de um espetáculo teatral que articula as estéticas de um teatro realista e simbolista na sua concepção de projeto encenação, a montagem de A Floresta Sob o Oceano, objetiva estimular no espectador uma reflexão sobre a crise energética que assola o planeta, e ao mesmo tempo provocar uma experiência estética, lírica e poética na sua recepção.

Sinopse 

Por que Patrick Dewaere se matou? “Meu primeiro impulso para escrever esta peça foi a história deste ator morto. Por que ele se matou aos 35 anos? O texto sugere que aconteceu por conta de uma traição, de um triângulo amoroso”, explica a autora, que mergulhou no universo dos filmes e da vida de Dewaere, morto em 1982, a fim de arriscar uma resposta de cunho ficcional. É a história de amor de Christina pelo ator suicida, criada entre túmulos e encontros fortuitos com a viúva dele em filas de teatro. Esses elementos autobiográficos, sutilmente revelados, dão um sabor especial à história contada no palco, segundo Paula Lice. “Um jogo de espelhamento entre os personagens aposta em uma versão da história de Dewaere e preenche com poesia os buracos que nunca serão revelados”, comenta a diretora.

Em cena, Ella (Christina Kyriazidi), uma jovem aspirante a escritora, consegue um encontro informal com o aclamado e atormentado escritor Manu Singer (Leonel Henckes), autor de um único livro de sucesso, Floresta Debaixo do Mar. A atmosfera sombria dos filmes noir, com pitadas de realismo fantástico, dá força a esse encontro atordoante. A intimidade entre os dois se estabelece como um elefante no meio da sala de estar, deixando escapar as reais intenções da jovem.

Nesta salada grega preparada a dois, misturam-se referências estilísticas do cinema e do steampunk, solos de acordeon, canções gregas de rituais fúnebres, citações em francês e inglês, poesia preenchendo espaços, silêncios contando histórias. Na trilha sonora, soam canções saídas do piano de Dewaere, mas também a trilha original composta por Andréa Martins e Ronei Jorge. As luzes acentuam a atmosfera noir, referência visual da montagem, trazendo para dentro da peça a cidade estrangeira fora das janelas.


Justificativa 

O projeto FLORESTA SOB O OCEANO nasceu de um desejo de evidenciar aspectos doentios presentes nas relações sociais e pessoais da realidade do planeta, bem como a nossa relutância em enxergar e mudar essa situação.

Ao explorar as estruturas mentais de culpa, medo e dor reprimida, o espetáculo sugere um “ritual de limpeza”, a fim de libertar o inconsciente de modelos padronizados. A válvula de escape é a imaginação de um mundo paralelo, no qual precisamos reaprender moldes livres de conceitos antigos. Para tanto, a encenação utilizará a linguagem do simbolismo como guia no processo de recepção do espectador.

O projeto nasceu, também, do encontro da atriz grega radicada em Berlim, Christina Kyriazili e do ator e pesquisador brasileiro Leonel Henckes no ano de 2013 em Berlim. Juntos, dentro das atividades do Grupo Marinaio Teatro (http://www.marinaioteatro.com), produziram a performance “The Stranger and Other Ordinary Tales” que reuniu um grupo de 12 artistas da Alemanha, Brasil, Grecia, Argentina, Arzebaijão, Espanha e Itália e foi apresentada em diversos teatros da cena livre de Berlim. No referido projeto explorou-se a temática dos estrangeiros e dos deslocamentos identitários na contemporaneidade.

No intuito de ampliar as ações de intercâmbio, escolheu-se o texto FLORESTA SOB O OCEANO, escrito por Kyriazili, originalmente em grego, por tocar em temas caros ao sujeito contemporâneo como a crise energética que está levando à destruição do planeta e que, no texto, está em diálogo com as crises do próprio homem contemporâneo, também ecológico.

Este projeto justifica-se, também, por fomentar trocas culturais entre Brasil, Grécia e Alemanha e contribuir para a internacionalização e divulgação da produção artística e cultura nacionais. Este fator é fortalecido pela possiblidade de, após cumpridos os objetivos e contrapartidas deste projeto no Brasil, a peça seguir em temporada em Atenas – Grécia e em Berlim – Alemanha.

Ademais, o projeto apresenta uma jovem dramaturga contemporãnea ao público brasileiro a partir da tradução do texto FOREST UNDER THE SEE para o português.

Ficha Técnica

Texto original: Christina Kyriazidi

Tradução: Marius Chatziprokopiou

Dramaturgismo: Aldri Anunciação, Christina Kyriazidi, Juliana Molla, Leonel Henckes, Paula Lice

Direção: Paula Lice

Assistência de direção: Juliana Molla

Elenco: Leonel Henckes e Christina Kyriazidi

Cenografia: Erick Saboya

Iluminação: Márcio Nonato

Figurino: Alexandre Guimarães

Trilha sonora original: Ronei Jorge e Andrea Martins

Programação visual: Lia Cunha

Fotografia: João Meirelles

Vídeos: Nina La Croix

Assessoria de imprensa: Karlene Rios

Coordenação geral: Leonel Henckes

Produção e Gestão financeira: Giro Produções Culturais

Realização: 

LH Produções (Salvador),

Marinaio Teatro (Berlim),